Figuras do Campo e da Cidade Velha

  • Figuras do Campo e da Cidade Velha
  • Figuras do Campo e da Cidade Velha
  • Figuras do Campo e da Cidade Velha
  • Figuras do Campo e da Cidade Velha
Figuras do Campo e da Cidade Velha
Ref.: 5. E-book
R$ 45,00


Figuras do Campo e da Cidade Velha  apresenta personagens pitorescos da cena urbana e rural na fronteira oeste do Rio Grande do Sul.
Porque assim se faz justiça à existência de pessoas muitas vezes desaparecidas no horizonte dos tempos, de quem não sobrariam recordações senão pela leitura destas pretenciosas anedotas.
Graciosas, mas respeitosas.
"Cada um dos personagens ajudou a construir o substrato social onde fui criado e, portanto, construiu minha própria personalidade."
Ricardo P. Duarte

Ficha técnica

Lançamento 06/2021
Título original Figuras do Campo e da Cidade Velha
   
Formato 14 x 21 x 1,5 cm
Número de páginas  Responsivas
Peso 180
Acabamento Brochura
ISBN  
EAN  
Preço R$ 34,90

Ficha técnica e-book

eISBN  
Preço R$ 

Conteúdos especiais

Capa em 3D (.zip)
Capa em alta resolução (.png)
Capa web (.jpg)

Leia um trecho do livro

Introdução
A meia-vida das coisas
 
Desde a varanda enxergo na paisagem várias sedes de fazendas conhecidas. Depois de adulto, seu arvoredo conserva as mesmas copas antigas, com seu eterno desenho. Cartão postal na distância que esconde detalhes corroídos pelo tempo, cada uma delas me traz uma lembrança de um período determinado e uma pena interior pela memória de coisas que ficaram para trás.
A distância é mentirosa. Sem necessidade de veículo, viajo no tempo e no espaço, até o pára-peito dessas casas, para encontrar a verdade. Numa varredura com um contador Geiger, o lugar responde com emoções diferentes, conforme o grau de desgaste da emoção original do destino para o qual serviu, ou serve. Aplico a metáfora do carbono 14; cada lugar mostra uma “meia-vida” que se desgasta com o tempo; cada lugar tem um tempo culminante de glória, alegria, felicidade, euforia, realização, progresso.
A estância Sarandí, do Quido e da Potoca, que conheci em meus primeiros anos de viajar a cavalo, vivia então a distinção de inaugurar o sistema de inseminação artificial em ovinos. O inseminador, Carioca, assumia o clima de satisfação do casal emergente cantando canções de Lupicínio Rodrigues nos serões onde compareciam os vizinhos do campo. Entre estes, meu pai e seu pequeno filho aprendendo a conhecer pessoas e coisas, diferentes da sua humilde estância Retiro.
O Retiro também teve sua época dourada depois do Colmar assumir a gerência e modificar a arquitetura do lugar - época em que as plantas das suas instalações foram expostas nas vitrines das casas de comércio da cidade, no marketing dos construtores -, casas e galpões novos, de alvenaria e caiados de branco, pintados de cores nas roupas das visitas vindas da cidade para as grandes marcações de terneiros dos anos 1960 e 1970.
A estância do Bueiro, de Moacir Coccaro Rodrigues e sua esposa argentina, Norma, foi a primeira que conheci onde morava uma família, num bangalô de tábuas muito bem construído quase junto à entrada da estância Retiro. Uma rápida amostra de sonho e poesia logo depois de seu casamento, na criação dos filhos pequenos.
A velha estância Triunfo, do meu finado tio Telmo, reformada pelo meu primo Ênio Duarte, também teve seu momento depois que este casou, levando para lá a esposa Beatriz Botafogo.
A cidade não foge à análise. Condomínios inteiros, tendo em certas épocas habitados seus apartamentos por pessoas com afinidade, mantiveram períodos de grande alegria, amortecidos no tempo e desgastados de ausências e separações. Lembro também de algumas casas especialmente construídas para determinado momento de certas famílias. Desenho moderno, fachada de capa de revista e divisões estudadas; áreas de lazer; jardins de inverno; grandes janelões panorâmicos; salas grandes, para reuniões de grande número de convidados nas festas de aniversário e fins de ano; jardins orientados por paisagistas; garagens para vários carros; áreas de serviço habilmente ocultas dos olhares curiosos, que às vezes chegavam às raias da inveja. Todas tiveram razão, não nos pais, mas nos filhos do casal. Geralmente se tratava de criar o ambiente onde apresentá-los emoldurados por uma aura de sonho e fantasia. Lindos pacotes de presente amarrados com laços de fitas, fazendo das filhas casadouras alvo preferido de rapazes de melhor família e de maior fortuna. Assim, os filhos, dos 15 aos 20 anos, movimentam a vida dos pais: cobram os bens amealhados, desgastam sua poupança martelando os “porquinhos”, exigentes de resultados. E, ainda que real tenham sido esses períodos de glória, em sonho todos se transformaram com o tempo inexorável.
Tudo passa; todos passam.
Diferente “viver para fora” e “viver para dentro”. Vive para fora quem expande socialmente, irradiando o sucesso da família numa aura que se desprende de suas casas, para onde converge o “público” assistente. Vive para dentro quem tem necessidade de ocultar o fracasso; quando, talvez, “se esconda” em um apartamento quarto-e-sala a comer de vianda.
Diz-se de quem mora no interior que vive para fora. Hoje, depois de morar na cidade “vivendo pra dentro”, moro novamente no interior e vivo realmente “para fora”.
 
Foto Autor

Ricardo P. Duarte

Sobre o autor

Nasceu em Uruguaiana, RS, em 03 de julho de 1944. 
Artista plástico dedicado à arte regional principalmente. Proprietário da Cabanha Touro Passo, onde cria gado Hereford e Polled Hereford, em 1980, recebeu o prêmio de “Produtor Modelo”, instituído pelo INCRA. Foi presidente do Sindicato e Associação Rural de Uruguaiana, do Núcleo Fronteira Oeste de Criadores de Hereford e Braford e de outras entidades não governamentais de interesse público, coordenando em Uruguaiana o grupo de Solidariedade Pro Malvinas Argentinas; Vice-presidente da Farsul (Federação das Associações Rurais do Rio Grande do Sul), da Associação Brasileira de Hereford e Braford, e da Associação Nacion al de Criadores – Herd-Book Collares. 

No fim da década de ’60, formou com Colmar P. Duarte, César Tasso Aymone Lopes e Júlio Machado da Silva Filho o Conjunto de Artes Nativas Marupiaras, grupo vocal e instrumental para a arte regional gaúcha que incentivou a ideia da Califórnia da Canção Nativa do RS, festival responsável pelo desenvolvimento da identidade cultural gaúcha no Brasil.

Na CALIFÓRNIA participou em todos os setores de organização, com destaque em cenografia, até assumir a presidência do Festival. Na sua gestão, de 1982 a 1984, a Califórnia teve seu período de maior expansão física, com o apogeu de atividades. recebendo o Disco de Platina. Colaborou na formação dos festivais “Ronda da Canção”, de Alegrete; “Clarim”, de São Borja; e “Musicanto Latino Americano de Nativismo”, de Santa Rosa. Participou também do Corpo de Jurados na inauguração desses eventos e de outros festivais.
 
Dedicou-se à palavra escrita, sendo fundador da Asociación de Escritores Sin Fronteras, com sede em Bella Unión (ROU), e membro da Academia Uruguaianense de Letras, cuja Presidência assumiu em 2009. É sócio proprietário da Editora Viapampa. No ano de 2018 assumiu a vice-presidência da Fundação Yayetopa, entidade com sede em Paso de los Libres cuja finalidade é exaltar a cultura regional. Nessa entidade apresentou documentação idealizando a ideia de uma "Nação Pampa", espaço onde vivem os gaúchos independentemente das fronteiras dos países inseridos no Bioma Pampa e que pretende unir brasileiros do Rio Grande do Sul, argentinos e uruguaios numa identidade cultural reconhecida pelas autoridades políticas.


E-mail: rdtopass44@gmail.com.br

Confira Também

  1. Nenhum produto disponível.
Figuras do Campo e da Cidade Velha
Rated 5/5 based on 30 customer reviews
Ficha técnica Lançamento 10/06/2019 Título original Das Seelenleben der Tiere Tradução