Muiraquitã

  • Muiraquitã
  • Muiraquitã
  • Muiraquitã
  • Muiraquitã
Muiraquitã
Ref.: 978-85-66967-69-2
R$ 40,00


Muiraquitã é poesia contemporânea.

Técnicas vanguardistas, contexto do cotidiano, valoriza a síntese sem deixar de surpreender, seduzir e desafiar.

 

Ficha técnica

Lançamento 2019
Título original Muiraquitã
   
Formato 14 x 21
Número de páginas 66
Peso 180 g
Acabamento Brochura
ISBN 978-85-66967-69-2
EAN 978-85-66967-69-2
Preço R$ 40,00

Ficha técnica e-book

eISBN 978-85-66967-69-2
Preço  
Capa em alta resolução (.png)
Capa web (.jpg)

Leia um trecho do livro

Introdução

Por que Muiraquitã? Foi o meu questionamento após a conclusão da leitura dos  primeiros textos desta coletânea poética. À medida que prosseguia na leitura, incontroláveis indagações distanciavam-me daquela inquietação provocada pelo título, afinal cada página me dirigia ao intangível, à estranheza e, ao mesmo tempo, ao brilho da palavra e à concretude de um todo que nos cerca e se manifesta na poesia. Realizei que Luiz Eduardo oferecia ao leitor não a sorte do amuleto macunaímico, mas força e magia, signos contidos nas palavras que ele manipula e recria.
O poeta apropria-se de manifestações artísticas que na década de 1950 garantiram à poesia uma dimensão verbo-visual, rompendo com a linearidade. Em outros momentos, incorpora ao design gráfico um discurso centrado na estrutura oracional, o que é exemplificado em “Cristalino”: uma lente natural que enxerga além, reflete a alma.
Luiz Eduardo é um poeta contemporâneo. Sua produção poética, ao mesmo tempo em que dialoga com técnicas vanguardistas, engaja-se no cotidiano, valoriza a síntese e traz uma intertextualidade explícita, em conformidade com o texto original, ou opondo-se a ele. Sua ação poética projeta silêncio e estimula reflexões.
Sensível aos encantos da poesia, ele oferece ao leitor a sua muiraquitã: palavras de efeitos poderosos e mágicas (porque não?!), que surpreendem, seduzem e desafiam.
Suzete Silva Trovão

CURTURA 
 
Última flor do Lácio genética,
Mal se diz uma herança verbal,
Nela, subscreve um ódio tribal,
Morrem banais onde ronda estética.
 
Trepadeira que enoda a política
Espalha cíclica a peste mítica:
Tudo o que decola despedaça -
Projeto julgamento até traça.
 
Traça uma ciclovia abismática,
Óbvia, concreta, um ver abismado,
Escondida na psicossomática
 
Da gente que passa, no passado
repetido em que se gruda à bílis,
É subcutânea a máfia brasílis.

Foto Autor

Luiz Eduardo Lopes
 

Sobre o autor

Bacharel em Letras pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro, carioca, trazido ao Pampa pela profissão, utiliza-se das marcas dos ambientes por que passou para transferir sentidos em versos. Desde uma pós em Comunicação Social, passou a dizer também pela conexão das ideias com a sombra das palavras na página. Filho de uma carioca com um gaúcho, aposta nessa mistura a que chamam Brasil, a ponto de nomear com um símbolo da cultura do Norte, este livro, lançado no mais oeste do extremo Sul. Aos modernistas, a sua Muiraquitã.     

Confira Também

  1. Nenhum produto disponível.
Muiraquitã
Rated 5/5 based on 84 customer reviews
Ficha técnica Lançamento 10/06/2019 Título original Das Seelenleben der Tiere Tradução